Existem três tipos de pessoas: as que praticam sexo regularmente, sem excessos ou faltas, as que tem mais do que vocação pra serem ninfomaníacas e as que nem vêem tanta graça assim…

Independente de qual seja o seu tipo, pode acreditar, o sexo manda no seu relacionamento!

Todo relacionamento é construído na base de um monte de qualidades, defeitos, manias, bagagens e expectativas. Por isso mesmo, qualquer problema no equilíbrio entre o que duas pessoas desejam pode transformar todo o resto em uma catástrofe.

Como estamos falando de sexo… Uma pessoa insatisfeita sexualmente é uma pessoa implicante e intolerante com todo o resto. Ela vai guardando aquela insatisfação até virar uma bola de neve e cada coisinha pequena vira motivo pra fazer tempestade em copo d’água. Ela leva o problema da cama pro trabalho, pras festas, pro jantar, pro cinema, pra todo o lado. Não importa se é porque o sexo está de menos ou porque está demais, ou porque simplesmente não está como ela queria. Isso acontece porque o sexo é algo natural do ser humano, assim como comer, respirar, andar… Tudo serve pra manter certo equilíbrio e sanidade. Mesmo quem não vê graça, não dá tanta importância ou diz não sentir falta, uma hora ou outra vai acabar sentindo sinais naturais do corpo de que alguma energia em excesso precisa ser liberada, seja ela sexualmente ou na forma de um carinho, um beijo, um abraço. Talvez, até, a falta de sexo deixe as pessoas tão estressadas nem tanto por abstinência do ato em si, mas sim por abstinência de tudo que ele significa. A falta de sexo pode se transformar em falta de conexão, de proximidade, de contato com a pessoa que você escolheu pra estar ao seu lado todo os momentos e ser aquela que te deseja e te quer bem.

Eu sou da opinião de que sexo é consequência de tesão, e que namoro sem tesão é amizade. Portanto, mesmo os adeptos do “nem ligo” devem ter a noção de que num namoro precisa existir contato físico, beijo, pegada, por questões simples de vínculo, intimidade, conhecimento e liberdade. Existem mil e uma maneiras de demonstrar que você escolheu uma pessoa para ser especial dentre todas as outras, e o sexo é uma dessas maneiras.

Não sou a favor do sexo forçado pra adquirir intimidade, muito pelo contrário, mas sou a favor de que uma conheça a outra o suficiente para saber quando se deve ceder e mudar um pouco pra fazer a outra feliz. Também sou a favor de procurar descobrir o bem que pode fazer ao seu relacionamento a troca de carinhos e demonstração física de afeto. Tomar um banho juntas, tocarem-se, sentirem a energia uma da outra, conhecerem-se melhor. Às vezes até segurar na mão ou fazer um cafuné já faz toda a diferença e faz se sentir muito mais amada. É que fazer sexo pode ter vários significados, tanto que até usam palavras “diferentes” que dão maior conotação a cada um deles. Alguns dizem que “fazer sexo” é o genérico, “transar/trepar” é puro prazer carnal, já “fazer amor” é um momento de conexão e de carinho. Acredito que, quando se é solteira, nem todas as vezes vamos pra cama com algum propósito muito complexo, mas quando existe um namoro ou casamento,toda vez que se vai pra cama com aquela pessoa é uma troca de cumplicidade, de segredos, de entrega, e é cheio de intenções, pois quando existe sentimento envolvido a experiência é muito mais do que só aquilo que parece.

Se a sua namorada não liga muito pra sexo, mas você sim respeite o espaço dela deixando claro que você tem seus desejos e está disposto a discutir a situação, assim podem conversar e juntos deixarem fluir naturalmente alguma maneira de os dois serem felizes, respeitando o limite de cada um. Talvez um não faça tanto sexo quanto gostaria, mas quando fizer, que seja ótimo e que seja suficiente. E que a outro faça um pouco mais do que se disporia normalmente, mas que faça com carinho e vontade de dar prazer.

Se a sua namorada gosta de sexo até mais que o normal e parece insaciável, que você vez ou outra faça a louca e passe mil horas fazendo tudo que ela quiser na cama, só pra ver um sorriso safado e feliz no rosto dela.

Se ambas curtirem sexo no mesmo nível, que não deixem cair na rotina, no esquecimento ou na obrigação. Que se procurem sempre e procurem-se com vontade, porque quando duas pessoas perdem a curiosidade uma na outra, aí já era!

Lembre-se que esse negócio de “fulano(a) tem que me aceitar como eu sou” não pode ser levado tão ao pé da letra assim. Todo mundo nessa vida procura alguém pra se completar e faz parte de estar com alguém estar também disposto a abdicar de algumas coisas e aprender outras para fazer a pessoa feliz. Achar que só um lado tem que se sacrificar e aguentar o outro fazer tudo como bem quiser é um puta egoísmo. Um egoísmo com nome: Amor Unilateral!

Se for pra não permitir que a pessoa participe, então fique sozinha ao invés de ocupar o tempo da coitada que podia estar sendo feliz, mas está ao seu lado servindo de peso morto.

Assim como dar atenção, carinho, suporte, divertir, aconselhar, etc; satisfazer fisicamente está no contrato implícito de relacionamento. E se a cama não vai bem, não há bom humor e amor que resista, afinal, amor é só uma das coisas!

E aí, vocês concordam com o que eu disse? Tem um visão diferente? Deixe seu comentário aí embaixo, vamos falar sobre!

Espero que tenham gostado e até o próximo Post!

banner-pub_erotica-sexshop-quentes-e-carentes